Desde o início da pandemia, excluindo pequenos países, Portugal ocupa, actualmente, a 8ª posição mundial ao nível da mortalidade por covid, com 1.631 óbitos por milhão de habitantes. República Checa, Bélgica, Eslovénia, Reino Unido e Hungria são os cinco piores países. Portugal já ocupou a sexta posição.

Considerando a evolução recente da pandemia, Portugal apresenta uma situação muito mais favorável do que a registada sobretudo em Janeiro, quando foi, durante várias semanas, o pior país. Calculando a média móvel de 7 dias e padronizando os dados dos diversos países para a população portuguesa, em 8 de Março de 2021 Portugal registou 29 óbitos, sendo o nono país com menor mortalidade relativa na União Europeia. Chipre, Dinamarca e Finlândia apresentam menos de 10 óbitos-equivalente. Os valores da Suécia são provisórios. No extremo oposto, as situações mais graves verificam-se agora na Eslováquia, República Checa, Hungria e Bulgária, todos com mais de 100 óbitos-equivalente.

Em relação aos países com maior mortalidade absoluta desde o início da pandemia – em parte por serem bastante populosos –, actualmente Portugal tem menor mortalidade relativa do que a Índia, um nível semelhante à Alemanha, Reino Unido e Rússia, e nível mais baixo do que França, Estados Unidos, Itália, México, Espanha e Brasil.  

Nota metodológica: 

Para a elaboração das estatísticas utilizaram-se os dados da mortalidade constantes no site Worldometers. Para a padronização usou-se a população dos países da União Europeia em 2019 indicada pelo Eurostat. Nos restantes países usou-se a população indicada pelo Worldometers. O grau de gravidade foi calculado em função da proporção de óbitos (padronizados) em relação ao país em melhor situação. Para a elaboração da lista dos 25 países (ou Estados) com mais óbitos por milhão de habitantes usou-se os dados do Worldometers, excluindo-se aqueles com menos de um milhão de habitantes, nomeadamente Gibraltar, San Marino, Liechtenstein, Andorra e Montenegro.

Estatísticas da responsabilidade de Pedro Almeida Vieira.

Apoie o Farol XXI