Elisabete Tavares | Jornalista e membro da Plataforma Cívica – Cidadania XXI

Eixo do Mal. O nome do programa de TV não podia ser mais apropriado, neste caso. Foi na última emissão deste programa que uma das comentadoras residentes fez o impensável em pleno século XXI: Clara Ferreira Alves proferiu palavras de incitamento à repressão de um grupo específico de pessoas. Dirigia-se a todos os que defendem uma abordagem científica diferente da que é seguida em Portugal. As pessoas que os media – culpa dos media – se habituaram a apelidar, erradamente, de ‘negacionistas’. Não. Não são pessoas que negam o vírus, nem a epidemia; são simplesmente pessoas que os media em geral decidiram discriminar, perseguir e ridicularizar. 

Clara Ferreira Alves sugeriu, em plena TV, que estas pessoas devem ser sujeitas a repressão. Defendeu que o “longo braço da lei deve impedir esta gente de crescer e multiplicar, que é o grande perigo”. Defendeu que o tal “braço da lei” deve “encostar e deve até, provavelmente, fazer uma pequena nódoa negra” nestes ‘negacionistas’. E disse-o com um gesto encenado de quem bate, de quem empurra para baixo, com pressão. De quem reprime. Mesmo que aquelas palavras possam ter sido proferidas em sentido figurado, a imagem que arriscam passar é de incitamento à repressão, perseguição e até à violência.

Disse Clara Ferreira Alves que aquela ‘gente’ é negacionista porque, segundo ela, recusa seguir as leis. Porque não cumpre o distanciamento. Porque não usa máscara – cuja utilização não é obrigatória em Portugal se houver distanciamento. Porque põe “a comunidade em perigo”. 

Eu não sei se Clara Ferreira Alves sabe, mas quando o povo vai para a rua em plena pandemia deve ser por um motivo muito forte. Não deve saber, presumo. Não se deve recordar também que Portugal é um Estado de Direito, que ainda é um país democrático. O povo pode manifestar-se nas ruas. Se o faz é porque não tem outra alternativa. Clara Ferreira Alves não se deve lembrar disso, certamente. E presumo que também não sabe o que se passa em outras partes do Mundo em matéria de gestão da epidemia nem sobre a enorme contestação que existe em diversos países, nomeadamente europeus.

Clara Ferreira Alves deseja também que façam uma nódoa negra a Anders Tegnell, pai da estratégia sueca de gestão da presente epidemia? Também ele é um negacionista por recusar o uso de máscara? Por ter conseguido, contra todo o mundo, implementar uma estratégia científica equilibrada, ajustada ao vírus? Por manter praticamente tudo aberto na Suécia?

Que a SIC não tenha ainda, até esta data (noite de domingo do dia 28 de março), emitido um comunicado em que se demarca de forma firme das palavras da comentadora, é uma desilusão. E é um sinal preocupante. 

Não sabe Clara Ferreira Alves como funcionam as ondas de violência e perseguição de grupos minoritários? Que tenha proferido as palavras que proferiu – acompanhadas dos gestos agressivos que encenou – em vésperas de celebrarmos a Páscoa… 

Clara não é a única nesta onda crescente de discurso de ódio que tenho observado nos media contra as pessoas que defendem uma estratégia proporcional e equilibrada na gestão da epidemia em Portugal. Esta onda assenta também na estratégia de aterrorizar e culpabilizar a população, cujo exemplo são outdoors pagos pelos contribuintes, que servem como instrumento para culpar e estigmatizar quem não usa máscara, por exemplo. Na ideia dos governantes, a população precisa ter medo para obedecer. O medo é visto como uma ferramenta essencial para levar ‘o povo ignorante’ a cumprir regras. Se juntarmos o clima criado por ameaças proferidas pelo diretor da PSP e as múltiplas frases de governantes a culpar a população ‘desobediente’, está o terreno criado para o nascimento de sentimentos de ódio contra os que defendem uma estratégia diferente da seguida em Portugal. A ideia semeada pelas autoridades e governantes é simples: se todos ‘obedecerem’ ao que for mandado fazer pelas autoridades, ‘tudo vai ficar bem’. Só por mais 15 dias. Só por mais 15 estados de emergência.

Esta onda assenta também ela em notícias falsas ou com conteúdos semi-falsos e tendenciosos difundidos pelas TVs e pelos jornais. O intuito é sempre o mesmo – descredibilizar e inferiorizar quem defende uma estratégia científica diferente da aplicada em Portugal. Ainda na sexta-feira, dia 26 de março, o jornal Expresso publicou uma notícia sobre a manifestação do dia 20 de março, em Lisboa. Participaram três mil pessoas na manifestação que fez parte de um protesto global anti-confinamento. “O que negam os negacionistas?” é o título da notícia. Eu estive na manifestação. Rejeito ser classificada como negacionista porque não sou. A notícia é complementada com uma entrevista em formato pergunta-resposta à organização da manifestação. É referido que a organização não é negacionista. Ainda assim, sem qualquer prova, a notícia afirma: são negacionistas. Mais. Escreve o jornalista que a ciência não lhes dá razão. A quem? Aos que são contra o confinamento? A Anders Tegnell? A quem exatamente? Qual ciência? A ‘ciência’ que desconhecemos, e que tem sido usada para justificar os 14 estados de emergência declarados em Portugal para suspender os nossos direitos? Ou a ciência que diz taxativamente que os confinamentos são errados?

O jornalista assenta a sua notícia sobretudo em dois testemunhos: de um constitucionalista que defende a posição do Governo; e de um médico que defende a posição do Governo.

Ignora todos os atropelos feitos à Constituição desde março de 2020. Como a instalação de postos policiais de controlo ilegais, baseados numa decisão do Conselho de Ministros. Como a prisão domiciliária sem crime cometido, declarada ilegal por juízas do Tribunal da Relação de Lisboa – uma sentença que correu mundo. E são apenas dois exemplos entre os muitos que temos. Como se fosse preciso dar exemplos quando vamos no 14º estado de emergência com medidas que não lembram nem ao diabo, e multas a pessoas por comerem gomas na rua e sandes no carro. Isto perante um vírus que exige uma estratégia de foco, proteção dos mais velhos, e promoção da imunidade entre a população saudável e ativa. As estatísticas divulgadas pela Direção-Geral de Saúde são claras. As estatísticas mundiais são claras. 

Também a notícia do Expresso termina com declarações do tal médico: não se pode deixar crescer estes ‘negacionistas’ que só passam ‘desinformação’. Quem? Anders Tegnell?

Estes hipócritas, que apelam à repressão contra os que apelidam erradamente de ‘negacionistas’ ou ‘relativistas’, são capazes de ser os mesmos que, mais tarde, irão aparecer em campanhas, pagas pelos contribuintes, a combater o racismo ou a discriminação com base no género, ou a defender a democracia e a liberdade de expressão. 

Quem é o perigo aqui não é quem se manifesta pelo fim da política desastrosa e totalitária que está a ser seguida em Portugal. Quem é um perigo é quem aponta o dedo e quer que sejam perseguidos os que contestam a política trágica, que está a ser imposta ao nosso povo, ao nosso país.

Aqueles que defendem uma estratégia equilibrada e fundamentada cientificamente na gestão da epidemia em Portugal não têm culpa se os que apelam à sua repressão e perseguição nada sabem sobre os ciclos dos testes RT-PCR. Ou sobre estatísticas. Ou sobre ciência, a evolução dos coronavírus. As suas variantes. A convencional estratégia de combate a uma epidemia do foro respiratório. As recomendações da Organização Mundial de Saúde sobre os testes e a sua classificação de ‘óbitos-covid’. Sobre o sofrimento das crianças vulneráveis sujeitas a violência no confinamento. Sobre a fome. Sobre o suicídio e o desespero de quem não trabalha há um ano. De quem perdeu o que construiu numa vida. De quem perdeu o marido para o cancro por atrasos nos tratamentos. 

Não temos culpa disso, nós, os portugueses que fomos para a rua lutar pela saúde de todos, a democracia e o fim das medidas kafkianas. Pela saúde mental dos nossos filhos e jovens. Pela proteção dos mais idosos nos lares ou na solidão das suas casas. Pela proteção de todos. Sem exceção. Mas não seremos alvo de discriminação, segregação ou ataques pérfidos. Já houve apelos do género vezes suficientes ao longo da História. Estamos em 2021. A tolerância ao insulto, à discriminação e aos discursos de ódio acabou. 


Nota final: Escrevi este texto enquanto escutava ‘A Paixão segundo São Mateus’, de J. S. Bach, pela Filarmónica de Berlim. Tinha saudades de a ouvir. Cruzei-me com a gravação na Internet hoje, e não resisti, apesar de ter a cozinha por limpar. Bem sei. Por que motivo não me limitei a ficar confortavelmente sentada no sofá, como estava há minutos, a desfrutar do concerto? Porque continuo a arriscar a carreira e a reputação a escrever textos que não seguem a popular onda totalitária e irracional em que Portugal e a pseudo-elite do país estão mergulhados? Porque andei o dia inteiro a remoer este texto. Porque pensar diferente é um direito. Porque a ciência não é dogmática – por muitas Claras Ferreiras Alves que existam no mundo. Porque não concebo discursos de ódio e incitamento à violência, mesmo em sentido figurado – seja pelo “longo braço da lei” ou por outros braços –, num canal de TV nacional, em nenhum lado do Mundo. Porque o protesto nas ruas é um direito. E, atualmente, é uma necessidade para qualquer português racional.

Apoie o Farol XXI