Pedro Almeida Vieira | Engenheiro Biofísico e Economista

Pedro Almeida Vieira

Nos 13 primeiros dias de Maio morreram 18 pessoas por covid-19; antes da pandemia, em igual período de Maio morreram, em média nos últimos cinco anos, 190 pessoas por penumonias, bronquites e outras infecções respiratórias. 

Apesar disso, o Governo, e mais os nossos EPP (Especialistas da Promoção do Pânico), vulgo cientistas-de-trazer-por-casa, e mais a nossa Imprensa Histérica, procuram manter os níveis de insanidade, usando todos os meios para pressionar a população a ser injectada com uma vacina experimental (que apenas deveria ser usada para a população idosa e de risco, ponderado o trade-off), de modo a que pareça que a redução (natural) das infecções por SARS-CoV-2 se deva ao plano de vacinação.

Nessa linha, os festejos dos adeptos do Sporting são um ponto crucial. Se não se observar dentro de dias uma subida de casos positivos (independentemente dos óbitos), e portanto com o famigerado R a manter-se abaixo de 1, teremos como consequência a constatação do absurdo das ainda medidas de restrição em quatro fases, e mais absurdas se mostram as normas legais previstas para o Verão.

Porém, se os casos aumentarem nos próximos dias, sobretudo na região de Lisboa, o Governo terá um trunfo para “castigar”, junto da opinião pública, quem defende um desconfinamento completo (incluindo acabar com o absurdo do uso de máscaras na rua). E ficará com “carta branca” para impor a sua vontade, “mostrando” que tem de continuar a sua acção de “papá” rígido perante os seus “flhos” rebeldes e irresponsáveis.

Ora, e vamos lá ver um pormenor: como se saberá se os casos aumentam ou diminuem? Resposta: através do Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE), gerido pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, onde os laboratórios inserem directamente a informação dos milhares e milhares de testes PCR e de antigénio que se realizam diariamente.

Quem coloca lá os dados? Os laboratórios. Quem gere e compila essa informação? O Ministério da Saúde. Quem controla a veracidade destes dados? Ninguém. A informação é pública? Não. Existe uma entidade independente que valida a informação dos laboratórios confirmando se os testes foram mesmo realizados e os resultados foram efectivamente os que foram inseridos no sistema? Não.

Pode este sistema do SINAVE ser seguro e rigoroso? PODE. 

Pode este sistema do SINAVE ser inseguro e manipulado? PODE.

Temo, na verdade, que possa surgir um pico de casos positivos na região de Lisboa e que seja  imediatamente associado aos festejos dos sportinguistas, dando assim oportunidade ao Governo, desejoso de mostrar acção, ameaçar ou concretizar mesmo um retrocesso no desconfinamento na região da capital. António Costa colocar-se-ia assim como um estadista obrigado a punir todos, por culpa de uns supostos “insurrectos”. Seria uma lição para todos.  Assim, no futuro, passaria a bastar que a parte dos todos que não são “insurrectos” controlasse os ditos “insurrectos” – essa escória da sociedade. 

Em Portugal pode acontecer tudo…

E nas Ditaduras também. Elas nascem assim.

Apoie o Farol XXI